Este site não está atualizado, consulte o site do agrupamento atualizado em www.aeffl.pt
Siga-nos RSS Facebook Twitter
3 de Abril de 2020
  • Decrease font size
  • Default font size
  • Increase font size

 
O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano.
Issac Newton

 
Um belo livro é aquele que semeia em redor os pontos de interrogação.
Jean Cocteau

 
Tristes tempos os nossos, é mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito.
Albert Einstein

 
Nada na vida deve ser receado. Tem apenas que ser compreendido.
Marie Curie

 
A honestidade foi e será sempre a arma decididamente mais forte para todas as lutas da humanidade que vive e progride.
Enrico Fermi

Dezembro PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
A rapariga que roubava livros
Markus Zusak
Presença

Quando a morte nos conta uma história temos todo o interesse em escutá-la. Assumindo o papel de narrador em A Rapariga Que Roubava Livros, vamos ao seu encontro na Alemanha, por ocasião da segunda guerra mundial, onde ela tem uma função muito activa na recolha de almas vítimas do conflito.
E é por esta altura que se cruza pela segunda vez com Liesel, uma menina de nove anos de idade, entregue para adopção, que já tinha passado pelos olhos da morte no funeral do seu pequeno irmão. Foi aí que Liesel roubou o seu primeiro livro, o primeiro de muitos pelos quais se apaixonará e que a ajudarão a superar as dificuldades da vida, dando um sentido à sua existência.