Este site não está atualizado, consulte o site do agrupamento atualizado em www.aeffl.pt
Siga-nos RSS Facebook Twitter
3 de Abril de 2020
  • Decrease font size
  • Default font size
  • Increase font size

 
Sempre imaginei que o paraíso será uma espécie de biblioteca.
Jorge Luis Borges

 
Eu não gosto dela e lamento alguma vez ter tido alguma coisa a ver com ela.
Erwin Schrödinger sobre a Mecânica Quântica

 
A educação é para a alma o que a escultura é para um bloco de mármore.
Joseph Addison

 
O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano.
Issac Newton


Não se pode ensinar tudo a alguém, pode-se apenas ajudá-lo a encontrar por si mesmo.
Galileu Galilei

Início Livro do Mês Março 2010
Março 2010 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
solido.jpgCem Anos de Solidão
Gabriel Garcia Marquez
D. Quixote

«Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía haveria de recordar aquela tarde remota em que o pai o levou a conhecer o gelo.» Com estas palavras - tão célebres já como as palavras iniciais do Dom Quixote ou de "À Procura do Tempo Perdido" - começam estes Cem Anos de Solidão, obra-prima da literatura contemporânea, traduzida em todas as línguas do mundo, que consagrou definitivamente Gabriel García Marquez como um dos maiores escritores do nosso tempo. A fabulosa aventura da família Buendía-Iguarán com os seus milagres, fantasias, obsessões, tragédias, incestos, adultérios, rebeldias, descobertas e condenações são a representação ao mesmo tempo do mito e da história, da tragédia e do amor do mundo inteiro.