Este site não está atualizado, consulte o site do agrupamento atualizado em www.aeffl.pt
Siga-nos RSS Facebook Twitter
24 de Junho de 2019
  • Decrease font size
  • Default font size
  • Increase font size

 
Diz-me e eu esquecerei. Ensina-me e eu lembrar-me-ei. Envolve-me e eu aprenderei.
provérbio chinês

 
Diz-me e eu esquecerei. Ensina-me e eu lembrar-me-ei. Envolve-me e eu aprenderei.
provérbio chinês

 
Um romance é como um arco de violino, a caixa de ressonância é a alma do leitor.
Stendhal

 
O oposto de uma afirmação correcta é uma afirmação falsa. Mas o oposto de uma verdade profunda pode ser outra verdade profunda.
Niels Bohr

 
A honestidade foi e será sempre a arma decididamente mais forte para todas as lutas da humanidade que vive e progride.
Enrico Fermi

Início Biblioteca Escolar Notícias Fase distrital do Concurso Nacional de Leitura em Olhão
Fase distrital do Concurso Nacional de Leitura em Olhão PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
cnleitura2012_olhao_programa
O Plano Nacional de Leitura (PNL) em articulação com a Direção-Geral do Livro e das Bibliotecas e com a Rede das Bibliotecas Escolares promove, neste ano letivo de 2011/2012, mais uma edição do Concurso Nacional de Leitura.
A prova da Fase Distrital do Concurso Nacional de Leitura é este ano organizada pela Biblioteca Municipal de Olhão, amanhã, dia 18 de Abril, pelas 13:30, e terá lugar no Auditório Municipal de Olhão
A nossa escola será representada pelas alunas: Cátia Guerreiro e a Ana Rita Feijão, do 11º C, e a Mónica Lopes, do 12ºC.
Tendo como objetivo estimular a prática da leitura entre os alunos do 3º Ciclo do Ensino Básico e do Ensino Secundário, o concurso pretende avaliar a leitura de obras literárias pelos estudantes desses graus de ensino.
Para as provas da final distrital em Olhão foram selecionadas as obras "Para Maiores de Dezasseis", de Ana Saldanha e "O Rapaz que Prendeu o Vento", de William Kamkwamba (3º ciclo do ensino básico) e "A Arte de Morrer Longe", de Mário de Carvalho e "O Perfume: História de um Assassino", de Patrick Suskind.