Este site não está atualizado, consulte o site do agrupamento atualizado em www.aeffl.pt
Siga-nos RSS Facebook Twitter
8 de Agosto de 2020
  • Decrease font size
  • Default font size
  • Increase font size

 
Eu não gosto dela e lamento alguma vez ter tido alguma coisa a ver com ela.
Erwin Schrödinger sobre a Mecânica Quântica

 
O oposto de uma afirmação correcta é uma afirmação falsa. Mas o oposto de uma verdade profunda pode ser outra verdade profunda.
Niels Bohr

 
Um romance é como um arco de violino, a caixa de ressonância é a alma do leitor.
Stendhal


Não se pode ensinar tudo a alguém, pode-se apenas ajudá-lo a encontrar por si mesmo.
Galileu Galilei

 
A honestidade foi e será sempre a arma decididamente mais forte para todas as lutas da humanidade que vive e progride.
Enrico Fermi

Início Atividades Arquivo Mercúrio.ESFFL Ano Internacional do Planeta Terra
Ano Internacional do Planeta Terra PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Ano Internacional do Planeta Terra

    No passado dia 12 de Fevereiro, arrancaram oficialmente as comemorações do Ano Internacional do Planeta Terra sob a égide da UNESCO .

  logoaipterra

  Trata-se, na verdade, de uma iciativa com uma duração de três anos, ao contrário do que costuma acontecer, e justifica-se perante as múltiplas ameaças que pairam sobre o planeta azul mas, sobretudo, justifica-se por aquilo que já está a acontecer, desde a perda de biodiversidade, desflorestação, efeito de estufa, alterações climáticas globais, degelo nas camadas de gelo permanente (permafrost), alterações perigosas na qualidade da água, ar e alimentos, frequência acentuada de acontecimentos climáticos extremos, passando pela escassez e aumento dos preços dos alimentos de base, desastres ambientais, enfim, um negro rol, que se poderia prolongar aqui indefinidamente.

terraˍ1 O Ano Internacional do Planeta Terra é uma iniciativa que partiu da União Internacional das Ciências Geológicas, representando 250 mil geocientistas de todo o mundo e que pretende promover a importância, não só das ciências da terra em todos os quadrantes da sociedade, mas sobretudo alertar para a premente necessidade da tomada de consciência pública para os tempos que se avizinham. Das pequenas medidas da vida quotidiana, à macropolítica, é necessário avisar e esclarecer que este é já um problema actual, nosso, não que acontecerá num qualquer futuro distante ou entre povos alienígenas.

 É nesta perspectiva que o Mercúrio.ESFFL se associa ao evento, procurando contribuir, ainda que modestamente, para a consciencialização de um problema que, mais do que político ou económico, constitui-se como um problema eminentemente ético, implicando aquilo que podemos designar de “consciência ecológica”.

Alguns Números

  População: em termos globais somos hoje 6, 649 mil milhões. O ritmo de crescimento tem sido cada vez menor, mas ainda se mantém muito elevado. Mesmo com a introdução de variáveis de desaceleração (controlo de natalidade na China, diminuição de partos viáveis nos países em vias de desenvolvimento, etc.), prevê-se que a este ritmo de crescimento em 2025 sejamos 9 mil milhões, dos quais 70% viverão em zonas costeiras.

  Biodiversidade: A lista vermelha das espécies em risco da União para a Conservação Mundial divulgada em Setembro inclui 29.372 espécies de animais e 12.043 de plantas. Do total 16.306 estão actualmente ameaçadas de extinção. 65 espécies já só se encontram em cativeiro ou cultivadas. Desde 2005, início dos registos a nível global, desapareceram da face da Terra 785 espécies.        Só na Nova Guiné, e ainda durante a década de 90 do séc. XX, 18 espécies de batráquios extinguiram-se por efeito das alterações ao nível da temperatura e diminuição da precipitação média. Este dado tornou-se importante pois, à semelhança de algumas espécies de aves e insectos, os anfíbios de zonas interiores húmidas são os que mais rapidamente são afectados pelas alterações dos fenómenos climáticos, como por exemplo, a antecipação da Primavera.

 desflorestacao

 Desflorestação: Na maior floresta tropical do mundo foram desflorestados, entre 1977 e 2007, perto de 570 mil Km2 de verde tropical. Para termos uma ideia, é o equivalente à área da península ibérica. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), organismo que vigia a desflorestação brasileira, divulgou que cerca de 7 mil Km2 de área arborizada (quase uma vez e meia a área do Algarve!), foram devastados entre Agosto e Dezembro de 2007. Se a isto juntarmos as desflorestações que se têm intensificado nas florestas do Zaire, Congo, Bornéu, Nova Zelândia, Austrália, Indonésia, China e Índia (só para citar os casos mais conhecidos) ficaremos com uma ideia do flagelo que assola o planeta – principalmente quando muitas destas desflorestações são feitas com recurso às “queimadas”, um modo frequente para desflorestar áreas muito extensas para posterior utilização agro-pecuária. O que, para além de diminuir a capacidade de retenção de CO2 na terra por via da eliminação das árvores, ainda contribui mais para o aumento da concentração desse gás na atmosfera por via da sua libertação na queima das árvores.

  Cidades: Calcula-se que em 2050, e mantendo-se as variáveis de crescimento actual, cerca de 85% da população mundial viva em cidades. Actualmente, com 12 milhões de habitantes Bombaim é a cidade mais populosa do mundo. Segue-se a brasileira São Paulo com 11 milhões e Shangai/Xangai com 10,9 milhões de habitantes. A maior área urbana do mundo é Tóquio, com 35,7 milhões, seguida da Cidade do México com 19,4 milhões de habitantes.
 Tratam-se de áreas de altíssimo consumo energético, com a agravante do seu crescimento galopante estar a contribuir para a diminuição drástica dos terrenos aráveis a nível global. Só na China espera-se que cerca de 20% dos terrenos aráveis desapareçam até 2030; 15 a 20% na Índia; 20 a 30% no Brasil.

  Alimentos: Com a diminuição drástica dos terrenos aráveis à escala mundial, juntando o aumento da temperatura e a escassez de água que aceleram o processo de desidratação dos solos e o consequente alastramento das zonas desérticas, e ultimamente com a corrida desenfreada aos produtos agrícolas destinados à produção de biocombustíveis, estão criadas as condições para se proporcionar uma carestia alimentar de que não há memória. As recentes escaladas dos preços dos cereais e produtos derivados, são apenas sintomas do aumento do desequilíbrio entre a procura e a oferta, sendo que as populações mais pobres já começam a sofrer as consequências.  

  

Fontes:

UNESCO
FAO
Greenpeace
Jornal Público (8/Fev/08; 12/Fev/08; 16/Fev/08).
Jornal Expresso (9/Fev/08; 16/Fev/08).

 

Destaques

Gala das Francisquíadas 2013
 
Lip Dub 2013
 
 
SeguraNet
 
Agência Portuguesa (PROALV)
Agência Portuguesa (PROALV)
http://www.proalv.pt/public/PortalRender.aspx?PageID={fca3e27e-2ae1-4ddb-b44a-f32523394236}
.Comenius
Questionnaires
 
Projeto “Advocating a Critical Media Literacy”
Apresentação
TwinSpace