Este site não está atualizado, consulte o site do agrupamento atualizado em www.aeffl.pt
Siga-nos RSS Facebook Twitter
8 de Agosto de 2020
  • Decrease font size
  • Default font size
  • Increase font size


Temo o homem de um só livro.
São Tomás de Aquino

 
O tempo para ler, assim como o tempo para amar, aumenta o tempo de viver
Daniel Pennac

 
Isto filhos, a poesia e a cozinha são irmãs!
Eça de Queirós

 
Na Natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma.
Antoine Lavoisier

 
Na Natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma.
Antoine Lavoisier

Início Atividades Arquivo Mercúrio.ESFFL A Ciência tem Limites? (Parte III)
A Ciência tem Limites? (Parte III) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

                                        John Horgan, Prigogine e outros proscritos

 A Ciência tem Limites?

    Numa época em que a tecnologia nos permite fazer coisas antes consideradas ficção científica, torna-se necessário que o “filósofo infunda a dúvida no cientista, para que a busca do conhecimento continue.” Se isso não for feito, corre-se o risco de que a ciência volte-se exclusivamente para a tecnologia, deixando de lado a “ciência pura”, aquela que verdadeiramente faz avançar as descobertas e donde resultam as teorias revolucionárias.

  Segundo Horgan, um desses “instigadores” terá sido Karl Popper, que defendeu que “a ciência não pode ser resumida a um sistema lógico e formal”. Afirmando que a verdadeira ciência deveria ser sempre “falsificável” e, por conseguinte, “provisória”, Popper, no entanto, contraria aqueles que duvidam que não é possível encontrar nenhuma verdade.

   Ao contrário de Popper, Horgan diz que Thomas Kuhn é bem mais pessimista. Foi ele o responsável pela popularização do termo “paradigma”. Kuhn parece não acreditar que se possa encontrar “a resposta”: 1.º) Porque os cientistas não conseguem entender-se uns aos outros; 2.º) Porque ficam presos, cada um, nas suas próprias teorias. 

   Por outro lado, para se praticar a “ciência pura”, será necessário reunirem-se certas condições sócio-económicas, o que estará tornando-se cada vez mais difícil.

   Seguindo nesta linha, Horgan aponta também Paul Feyerabend, o qual defende que “a actividade científica tem a capacidade de eliminar a diversidade de pensamentos humanos, ao eleger um paradigma como verdadeiro.”

    Mas o mais cáustico dos pensadores apontados por Horgan é o químico Ilya Prigonine (prémio Nobel da Química em 1977). Trata-se de um dos cientistas mais criticados pela comunidade científica que o acusava de ser arrogante e de apenas querer protagonismo. Afirmam que a sua contribuição para a ciência foi pequena ou nula em termos concretos, pois que se limitou a “recriar as experiências de outros e a filosofar sobre elas.”

   Essas acusações até podem ser verdadeiras, mas Prigogine também pode ter ganho a inimizade dos seus colegas por revelar o “segredo sujo da ciência do final do século XX: que ela está, em certA Ciência tem Limites?o sentido, a cavar a sua própria cova.”

    Em Order out of Chaos (Ordem a partir do Caos), Prigogine mostrou que as principais descobertas científicas do século XX têm apenas adiado os limites da ciência. “Demonstrações de impossibilidade na relatividade, na mecânica quântica ou na termodinâmica, mostram-nos que a natureza não pode ser explicada ‘de fora’ como se o cientista fosse um mero observador”, isto é, um sujeito puramente imparcial e isento, o que implicará uma limitação intrínseca à própria actividade científica. 

 

                                               Saber mais:

                                                                       SciELO 
                                                                       Académico



 

Destaques

Gala das Francisquíadas 2013
 
Lip Dub 2013
 
 
SeguraNet
 
Agência Portuguesa (PROALV)
Agência Portuguesa (PROALV)
http://www.proalv.pt/public/PortalRender.aspx?PageID={fca3e27e-2ae1-4ddb-b44a-f32523394236}
.Comenius
Questionnaires
 
Projeto “Advocating a Critical Media Literacy”
Apresentação
TwinSpace