Este site não está atualizado, consulte o site do agrupamento atualizado em www.aeffl.pt
Siga-nos RSS Facebook Twitter
8 de Abril de 2020
  • Decrease font size
  • Default font size
  • Increase font size

 
O livro é um mestre que fala mas que não responde.
Platão

 
As pessoas, de início, não seguem causas dignas. Seguem líderes dignos que promovem causas dignas.
James Clerk Maxwell

 
Aprendi que um homem só tem o direito de olhar um outro de cima para baixo para ajudá-lo a levantar-se.
Gabriel García Márquez


Não se pode ensinar tudo a alguém, pode-se apenas ajudá-lo a encontrar por si mesmo.
Galileu Galilei

 
O oposto de uma afirmação correcta é uma afirmação falsa. Mas o oposto de uma verdade profunda pode ser outra verdade profunda.
Niels Bohr

Início Atividades Núcleo do Ambiente Olhão: A “New York Lusa” da Indústria de Conservas de Peixe
Olhão: A “New York Lusa” da Indústria de Conservas de Peixe PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Avaliação: / 2
FracoBom 
Joaquim_RodriguesNo âmbito das actividades do Núcleo do Ambiente da nossa escola, teve lugar no dia 11 de abril , no auditório da ESFFL, uma palestra proferida pelo Doutor Joaquim Rodrigues intitulada Olhão: A “New York Lusa” da Indústria de Conservas de Peixe. Participaram na palestra as turmas 10ºG, 11ºB, 11ºF e 12ºB.
A Segunda Guerra Mundial foi um dos períodos mais faustos para a indústria conserveira, não pela quantidade exportada, mas pelos valores alcançados. O centro de Olhão à semelhança dos outros centros foi fortemente atingido pela falta de peixe, pelas dificuldades na aquisição de folha-de-flandres e nos transportes. As conservas de peixe – e o volfrâmio – estiveram no centro de uma guerra económica que teve como protagonistas, para além de Portugal, a Inglaterra e a Alemanha de Hitler. No seu bunker, em 1945, foram encontradas conservas portuguesas. O centro conserveiro de Olhão teve uma quota destacada de exportação de todas as espécies de conservas de peixe quer para a Inglaterra, quer para a Alemanha. Para ambos os produtos o «ouro nazi», produto do espólio confiscado aos judeus nos campos de concentração/extermínio, serviria para os pagar. Durante a II GM, conserveiros e os volframistas arrecadaram avultados lucros.

DSC_0119



Actualizado em Quarta, 01 Maio 2013 03:00
 

Destaques

Gala das Francisquíadas 2013
 
Lip Dub 2013
 
 
SeguraNet
 
Agência Portuguesa (PROALV)
Agência Portuguesa (PROALV)
http://www.proalv.pt/public/PortalRender.aspx?PageID={fca3e27e-2ae1-4ddb-b44a-f32523394236}
.Comenius
Questionnaires
 
Projeto “Advocating a Critical Media Literacy”
Apresentação
TwinSpace